Make your own free website on Tripod.com

Projecções e Sonhos

Oculto

Home
Seminarios
Forum
APELOS
Espiritismo
Projecção Astral
Mediunidade
Oculto
Profecias
Wicca
Astrologia
Adivinhação
Ovniologia
Mensagens
Divindade do Homem
Um Só Deus
Sonhos
Significado dos Sonhos
Cromoterapia
Humanitarismo
Velas
Eventos e Outros
Amizade e Amigos
Espíritos Instrutores
Campanha:Homenagem aos Deficientes Físicos.
Biografias Diversas
Nomes - Sinificado e sua Origem
Livros Download
Livros Leitura
Os Cantinhos do Pessoal
Fotos - Imagens
Grupo MSN



"Ciências" Ocultas & Ocultismo

As "ciências" ocultas são coisas como a alquimia, magia, astrologia, e outras "artes" adivinhatórias que empregam encantamentos ou fórmulas mágicas na tentativa de obter conhecimentos ou poderes ocultos.

Ocultismo refere-se à crença em poderes ocultos ou misteriosos, que podem ser controlados por seres humanos possuidores de conhecimentos especiais sobre tais poderes.

Alquimia

A alquimia é uma arte e pseudociência oculta. Os principais objetivos de seus praticantes têm sido

(1) transformar metais comuns (como chumbo ou cobre) em preciosos (como outro ou prata) (o motivo da transmutação);

(2) criar um elixir, uma poção ou um metal capaz de curar todas as doenças (o motivo médico), e

(3) descobrir um elixir que conduziria à imortalidade (o motivo da transcendência).

A substância mágica que transmutaria metais, seria a panacéia universal e serviria como chave para a imortalidade era chamada de pedra filosofal.

A alquimia é baseada na crença de que há quatro elementos básicos --fogo, ar, terra e água-- e três essenciais: sal, enxofre e mercúrio. Grandes sistemas simbólicos e metafísicos foram construídos sobre esses sete pilares da alquimia. A literatura oculta chinesa e egípcia antigas, são consideradas os alicerces sobre os quais a alquimia se apóia. Ela era muito popular na Europa medieval, onde um dos livros mais sagrados dos alquimistas tinha sido alegadamente escrito pelo deus egípcio Tote, conhecido como Hermes Trimegisto (Hermes = o três vezes sagrado). (Hermes era o deus grego que servia como mensageiro de entregava as almas dos mortos para Hades.) Em 1445, um manuscrito intitulado Corpus Hermeticum começou a circular em Florença, na Itália. Era alegadamente uma compilação do conhecimento alquímico, astrológico e mágico do deus egípcio. No entanto, agora sabe-se que a obra tinha origem européia e datava de algum tempo após a época em que Tote prosperava. A obra é repleta de encantamentos e feitiços mágicos, e outras idéias ocultas inúteis.

Hoje em dia, o motivo da transmutação é grandemente ignorado, ao passo que os motivos da transcendência e médico ainda têm força em áreas como a homeopatia e a aromaterapia. Muitos dos alquimistas modernos combinam sua arte oculta com a astrologia, acupuntura, hipnose e uma ampla variedade de buscas espirituais da Nova Era. Diferentemente da química moderna, que teve origem na alquimia, a antiga arte é fortemente espiritual. Os alquimistas podem ter sido os primeiros a testar suas idéias através da criação de experiências, mas devido aos seus propósitos e crenças intensamente metafísicas, não desenvolveram métodos científicos modernos. A alquimia nunca se separou do sobrenatural, do mágico e do supersticioso. Talvez seja por isso que ela ainda seja popular, embora não tenha conseguido praticamente nada de valor duradouro. Os alquimistas nunca transmutaram metais, nunca encontraram uma panacéia, e nunca descobriram a fonte da juventude.

Alguns alquimistas, no entanto, realmente fizeram contribuições para o avanço do conhecimento. Por exemplo, Paracelso (1493-1541) introduziu o conceito da doença na medicina. Rejeitou a idéia de que a doença era uma questão de de desequilíbrio ou desarmonia no corpo, embora essa visão seja preferida pelos alquimistas modernos. Pelo contrário, Paracelso sustentava que as doenças eram causadas por agentes externos ao corpo, que o atacavam. Recomendava várias substâncias químicas para combater as doenças.

A alquimia continua prosperando entre os anticientíficos. Robin Murphy, por exemplo, uniu a alquimia à homeopatia e à astrologia para criar sua própria marca de medicina alternativa. O Alchemical Institute anuncia a Hipnoterapia Alquímica para aqueles que buscam uma terapia Nova Era de fortalecimento, baseada em pseudociências ocultas. O alquimista John Reid promete saúde e sucesso na busca da QUINTESSÊNCIA! É importante observar que a ciência como nós a conhecemos só foi capaz de se desenvolver quando a busca por essências e pela quintessência das coisas foi abandonada.

Trimble, Russell, "Alchemy," em The Encyclopedia of the Paranormal editada por Gordon Stein (Buffalo, N.Y.: Prometheus Books, 1996), pp. 1-8.

Mágika

Para os magos da Nova Era, mágika é a arte e ciência de causar mudanças de acordo com a vontade por meios não fisicos. Portanto, magika é associado com todo o tipo de fenómenos ligados ao paranormal e ao oculto, incluindo mas não se limitando a: pes, projecção astral, curas psiquicas, cabala, chakras, e vários simbolos (como o pentagrama) bem como comportamentos rituais simbólicos com o fim de obter poderes que permitam vencer as leis da fisica, quimica e outras forças naturais. Para os magos da Nova Era existe a magia branca (boa) e a magia negra (má).

As religiões baseadas no Velho e Novo Testamentos sempre associaram a magia a falsos profetas, baseados na crença de que Satanás regularmente exibe o seu poder e partilha-o com os humanos. Usar poderes que contradizem as forças naturais é bom se feito por ou através de Deus, de acordo com a sua visão. Tais exibições chamam-se milagres. Se feito por forças diabólicas é mau. PAra estes crentes há milagres (bom) e magia (má).

A ideia de ser capaz de controlar o tempo ou a saude de alguem por um acto de vontade é muito atraente. Tal como a ideia de vingar-se de um inimigo sem ter de levantar um dedo. Mas se está a pensar nisso, considere este aviso de uma autoridade no assunto:

...rituais mágikos (ou qualquer ocultismo) é muito perigoso para os mentalmente instáveis. Se, de algum modo, fôr "demasiado longe" use o seu passado religioso ou o seu antigo sistema de crenças para se apoiar. Mas lembre-se tambem que experiências estranhas não são necessariamente más experiências. [jounsmed]

Isto são palavras de sabedoria: o estranho não é necessariamente mau. Ou por outras palavras, o estranho não é nacessariamente bom.

A magia dos mágicos de espectáculo estão relacionados com a mágika no sentido em que usam truques para fazer a audiência crer que fizeram coisas que, se reais, exigiriam poderes sobrenaturais ou paranormais, materializando objectos como aneis, pombas ou coelhos. Alguns mágicos atribuem os seus feitos não a magia mas a poderes sobrenaturais ou paranormais, como por exemplo, Sai Baba na India e Uri Geller em Israel.

Muitos de nós sentem-se desconfortáveis perante o que parece inexplicável. Parecemos necessitar de encontrar uma explicação para tudo, preferindo uma sobrenatural a uma cientifica e más teorias a nenhuma. De qualquer modo, há provas de que mesmo quando informado e educado, um numero significativo de pessoas prefere acreditar em mágikas do que na ciência. Vários estudos o demonstram.

Um dos estudos foi feito pelos psicólogos Barry Singer e Victor Benassi na California State University em Long Beach. Trouxeram o magico Craig Reynolds para realizar alguns truques perante quatro classes de introdução à psicologia. A duas das classes não foi dito que ele era um mágico fazendo truques de espectáculo. Foi-lhes dito que era um aluno prestes a formar-se que afirmava ter poderes psiquicos. Foi-lhes dito pelo professor explicitamente que este não acreditava que esse "aluno" ou qualquer outra pessoa tivesse poderes. Nas outras duas classes foi dito que era apenas mágico. Singer eBenassi relataram que cerca de dois terços dos alunos de ambos os grupos acreditaram que Craig era psiquico. Os investigadores ficaram surpreendidos ao descobrir que não havia diferença significativa entre os grupos "mágico" e "psiquico". Fizeram então a mesma apresentação a duas outras classes explicitando que Craig não tinha qualquer poder psiquico e que ia realizar alguns truques em que fingia ler a mente e demonstrar poderes psiquicos. Mesmo assim, mais de metade dos alunos acreditou que Craig era psiquico após verem a sua exibição.

Singer e Benassi perguntaram então aos estudantes se achavam que os mágicos podiam fazer exactamente o que Craig tinha feito. A maioria dos estudantes respondeu que sim. Foram então perguntados sobre se queriam rever a sua opinião sobre os poderes psiquicos de Craig à luz dos dados negativos que eles próprios tinham fornecido. Poucos o fizeram, reduzindo a percentagem dos que acreditavam nos poderes psiquicos de Craig para 55 %. Foi-lhes então pedido que calculassem quantos dos chamados psiquicos são realmente fraudes usando truques. O consenso foi que a maioria deles são aldrabões. Foi-lhes novamente perguntado se queriam rever a sua opinião sobre Craig. Apenas alguns o fizeram, reduzindo a percentagem para 52%.[Douglas Hofstadter relatou este estudo na sua coluna mensal no Scientific American em Fevereiro de 1982. Foi republicado em Metamagical Themas: Questing for the Essence of Mind and Pattern, (New York: Basic Books, 1985), capitulo 5, "World Views in Collision: The Skeptical Inquirer versus the National Enquirer". O estudo de Benassi/Singer foi publicado em "Fooling Some of the People All of the Time," no numero de Inverno de 1980/81 do The Skeptical Inquirer).

Para muitas pessoas, a vontade de acreditar ultrapassa a capacidade de pensar criticamente. Aparentemente, para essas pessoas, o mundo parece mais interessante se feito com psiquicos, mágikos e feiticeiros. Para muitos cientistas, contudo, a beleza do mundo e a sua magnificência diminuem quando se avança para a pseudociencia. "O mistério dos horoscopos, fenómenos psiquicos, biorritmos, nunca desaparece, por mais que "investigue" esse assunto. Não há principios fundamentais a compreender."[Radner and Radner, p. 100.] Porem, são esses principios que revelam a beleza e a magia da natureza.

Claro que a beleza e a magia da natureza nada tem a ver com mágika. Há magia no nascer de uma criança, a magia do verdadeiro amor. Há magia no levantar-se de manhã através de um acto de vontade. Infelizmente, isso apenas parece magia para os que não teem esse poder. Os que são capazes de dirigir o nosso corpo através de um acto de vontade muitas vezes tomam isso como garantido. Não vemos a maravilha de coisas simples como o gesto de limpar o suor da testa. Achamos normal olhar os oceanos e os glaciares, o pôr do sol, as flores. Estes são verdadeiros feitos mágicos e, quando comtemplados, teem maravilhas capazes de encher vários universos. Mas para muitos, parece, esta magia real nunca será suficiente.

Incantação



Uma incantação é uma magia verbal usada em rituais mágicos